Quarta-feira
23 de Maio de 2018 - 
DEFENDENDO SEUS DIREITOS
Fale com o advogado: Dr. Rubens Rodrigues - 065-9 9934-2124 (Whats) e 3624-6237
Fale com o advogado: Dr. Raphael Alves - 065-9 8134-4167 (Whats) e 3624-6237

Consulte seu processo.

Previsão do tempo

Hoje - São Paulo, SP

Máx
22ºC
Min
10ºC
Nevoeiro

Quinta-feira - São Pa...

Máx
23ºC
Min
11ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
25ºC
Min
14ºC
Possibilidade de Chu

Quinta-feira - Rio de ...

Máx
25ºC
Min
15ºC
Nublado com Possibil

Hoje - Cuiabá, MT

Máx
27ºC
Min
14ºC
Predomínio de

Quinta-feira - Cuiabá...

Máx
29ºC
Min
16ºC
Predomínio de

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,65 3,65
EURO 4,30 4,30

Últimas notícias

Contrato com analfabeto exige instrumento público

Pode o analfabeto contrair obrigações, exigindo-se, contudo, para a validade do respectivo contrato que ele seja formalizado por instrumento público ou por instrumento particular assinado a rogo por intermédio de procurador constituído por instrumento público. Com este entendimento a Primeira Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) desproveu recurso de Apelação e determinou a reintegração da pessoa analfabeta à posse do imóvel vendido. O apelante, comprador do imóvel, se insurgiu contra a sentença do juiz da comarca de Barra do Bugres que declarou nulo o contrato particular de compra e venda, determinando a reintegração da autora na posse de áreas de terras denominada Bauxi-18, com 11,2250 ha. De acordo com o processo a autora teria vendido uma área de terras em Barra do Bugres ao réu, que não teria adimplido o contrato argumentando que o imóvel teria uma dívida do Pronaf no valor de R$ 12 mil. Ao julgar o recurso, os desembargadores João Ferreira Filho,(relator), Nilza Maria Pôssas de Carvalho (1º vogal) e Sebastião Barbosa Farias (2º vogal), à unanimidade entenderam que o contrato é nulo, porque celebrado com pessoa analfabeta sem a observância das normas legais. Dessa forma, mantiveram inalterada a sentença do juiz de Barra do Bugres, determinando a reintegração de posse da pessoa analfabeta, bem como a devolução dos valores pagos. Confira AQUI o acórdão com o julgamento do recurso de Apelação 78131/2017
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitantes  179898
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.